Espacojames


Página Inicial
Listar Destaque




Artigo N.º 2128 - A contaminação dos alimentos - Parte 3
Artigo visto 2397




Visto: 2397
Postado em: 11/08/09 às 20:46:12 por: James
Categoria: Destaque
Link: http://www.espacojames.com.br/?cat=41&id=2128
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Destaque

Agrotóxicos

Como vimos, os agroecossistemas e monocultivos favorecem o desequilíbrio nas populações de pragas, doenças, plantas, ervas daninhas e microorganismos, que se transformam em sérios problemas para a produção de alimentos agrícolas. Estes, freqüentemente, atacam as plantações por encontrarem ambiente favorável ao seu desenvolvimento e permanência, provocando, quando nenhuma medida de controle é realizada a tempo, grandes perdas nas lavouras.

Há vários tipos de agrotóxicos, mas os mais usados na agricultura são os inseticidas (para controlar insetos), os herbicidas (para controlar plantas e ervas daninhas) e os fungicidas (para controlar fungos).

Os agrotóxicos podem ter origem biológica ou química. A maioria apresenta o princípio ativo (agente de controle) químico e, portanto, potencial tóxico não só para as pragas que devem controlar, mas também para o homem, os animais e os recursos naturais. O tempo de permanência desses produtos no ambiente também é variável de produto para produto. Alguns persistem, ou seja, demoram mais tempo para se degradar (desaparecer), e outros não. Alguns são extremamente tóxicos. Mesmo quando utilizados em pequenas quantidades e curta duração, geram danos ambientais e à saúde irreversíveis. Por essa razão, o uso desses produtos deve ser sempre orientado por agrônomos ou técnicos especializados, considerando também, sempre que existentes, as orientações do MIP (Manejo Integrado de Pragas), e as orientações de uso correto do produto.

Os agricultores que manipulam esses produtos geralmente recebem pouca ou nenhuma informação sobre sua periculosidade e, muitas vezes, fazem as aplicações sem a proteção necessária e sem o uso de equipamentos adequados. A falta de cuidado com a escolha do produto, a tecnologia de aplicação e o descuido no preparo, no transporte, no armazenamento, no descarte das sobras de produtos e no descarte das embalagens gera sérios impactos no homem, na água, no solo e no alimento que será consumido. A exposição ao produto pode provocar alergias e dermatites, perda de visão, feridas expostas, câncer, alterações do sistema nervoso, danos ao fígado, aos rins, problemas respiratórios e de reprodução e, em intoxicações agudas, levar à morte. O produto também pode ficar presente no alimento produzido no campo e, por essa razão, o monitoramento de resíduos de agrotóxicos durante sua produção e após a sua colheita deve ser realizado cuidadosamente e dentro de padrões laboratoriais seguros à saúde do consumidor final.

Os limites máximos de resíduos (LMR) dos agrotóxicos nos alimentos e o nível aceitável de ingestão diária são alguns dos padrões de referência utilizados para o monitoramento. Alguns países apresentam restrições mais sérias para o uso de agrotóxicos, aceitando apenas produtos produzidos sob sérios critérios e orientados por LMR mais baixos.

Os agrotóxicos podem ser transportados pela cadeia alimenta, sendo ingeridos por outros animais, que os bioacumulam. Desse modo, o agrotóxico será mais concentrado e tóxico em um animal carnívoro do que em um herbívoro. O homem, portanto, pelo seu hábito alimentar, pode ter o seu organismo bastante afetado pelo acúmulo de agrotóxicos. Hoje se sabe que o uso de agrotóxicos sem critérios de segurança adequados, controle e fiscalização eficientes e aplicado consecutivamente sobre o mesmo solo e cultivo, produz problemas nas lavouras, pois as pragas tornam-se resistentes aos produtos. Assim, doses maiores são aplicadas, causando, como citado anteriormente, problemas relacionados aos efeitos residuais.

Alimentos contaminados Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) demonstrou que 90% dos legumes e verduras consumidos pelos cariocas sofreram alguma contaminação microbiológica ou química, colocando em risco a saúde dos consumidores. A contaminação foi causada por substâncias provenientes da aplicação de agrotóxicos ou da água usada na irrigação do terreno, geralmente contaminada por coliformes fecais.  Fonte: OESP – 21/09/01

 

Controle biológico O controle biológico é uma técnica para combater as pragas e as doenças, utilizando os seus próprios inimigos naturais. A agricultura brasileira já foi bastante atacada pelos gafanhotos. No final dos anos 80, no Mato Grosso, havia mais de 2 milhões de hectares atacados por essa praga. O problema foi reduzido radicalmente com o isolamento e introdução de um fungo chamado Metarhizium flavoviride, que controla a praga sem causar danos ao meio ambiente e à saúde humana. Outro exemplo de sucesso, entre dezenas de outros, é o controle da lagarta da soja pelo vírus chamado Baculovirus anticarsia. Sua aplicação provoca a morte das lagartas sem que seja necessário aplicar nenhum agrotóxico. Só a utilização dessa tecnologia tem evitado que, a cada safra de soja, mais de 1,4 milhão de litros de agrotóxicos sejam aplicados na cultura, melhorando a qualidade dos grãos e preservando o ambiente. Fonte: Embrapa, 2002.

O Manejo Integrado de Pragas (MIP) é uma técnica que vem auxiliando na redução do uso de agrotóxicos. Ela emprega métodos culturais, biológicos e químicos, formulados em programas que levam em consideração as características do ambiente onde será aplicado. Esses programas podem estimular, por exemplo, as práticas de rotação de cultivos (não repetir o plantio da mesma espécie na safra seguinte) e o cultivo consorciado (diferentes espécies plantadas na mesma área) com a finalidade de controlar a proliferação de pragas. Graças a essas práticas, em sete anos foi possível reduzir o uso de agrotóxicos em mais de 80% na produção de feijão no Brasil.

Outro método eficaz utilizado pelo MIP é o controle biológico aplicado, que introduz agentes de controle natural (como fungos, bactérias e predadores) que se encarregam de realizar o controle populacional das pragas na lavoura, mantendo-as em níveis aceitáveis. No Estado de São Paulo, por exemplo, usa-se a mosca Cotesia flavipes para controle da broca-da-cana, praga importante dessa cultura. Com isso, as perdas da produção caíram de 11% em 1980 para 2,5% em 1990. Também os feromônios de agregação (acasalamento etc.) são compostos químicos liberados pela própria espécie da praga que, depois de sintetizados, podem ser utilizados para atrair-las para armadilhas que são colocadas na propriedade e, assim, diminuir sua população no início das infestações. Essa prática também é utilizada para o monitoramento da população da praga, que é a referência para a utilização dos métodos de controle.

Também no MIP é recomendado o uso de agrotóxicos, desde que isso seja imprescindível. Seu uso é orientado por indicadores (Limiar Econômico e Nível de Dano Econômico) que refletem o conhecimento da dinâmica das pragas das culturas e das necessidades econômicas para sua produção, entre outros. Assim orientadas, as aplicações de agrotóxicos são drasticamente reduzidas.

Muitos produtores já adotaram o MIP, pois perceberam que, utilizando os conhecimentos já disponíveis e trabalhando com um horizonte além do lucro imediato, poderão garantir uma terra mais produtiva para as futuras gerações.


www.derradeirasgracas.com



Ajude a manter este site no ar. Para doar clique AQUI!



LEIA TAMBÉM
A contaminação dos alimentos - Parte 2
A contaminação dos alimentos - Parte 1
Cardeal estranha pedido de retirada de símbolos religiosos
Sodomia consagrada em lei e cristãos perseguidos em lei
Perseguição a cristãos na Ìndia
Padres perseguidos no Vietname e no Nepal
Galeria em Glasgow encoraja profanação da Bíblia
O TEMPO VOA
Mulheres chinesas fazem 13 milhões de abortos por ano
Veja mais artigos relacionados
 

Saiba como contribuir com nosso site:

1) - O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!
2) - Receba os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui é grátis!
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por Aqui!
4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações Clique aqui!


Total Visitas Únicas: 8.635.442
Visitas Únicas Hoje: 505
Usuários Online: 206